Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Quantitativo de Discentes Ingressantes, Formado(a)s pelo Campus Cametá (Sede & Polos Universitários) - UFPA 2013-2020 - e Discentes Ativos
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Quantitativo de Discentes Ingressantes, Formado(a)s pelo Campus Cametá (Sede & Polos Universitários) - UFPA 2013-2020 - e Discentes Ativos

  • Publicado: Quarta, 24 de Março de 2021, 13h35
  • Última atualização em Quarta, 24 de Março de 2021, 14h19

De 2013 a 2020, 5.074 jovens e adultos ingressaram no Campus Universitário do Tocantins/Cametá – UFPA, tanto na sede do Campus como nos Polos Universitários de Mocajuba, Oeiras do Pará, Limoeiro do Ajuru e Baião, além de turmas flexibilizadas para os municípios de Abaetetuba, Tucuruí, Tomé-Açu, Bagre, e oferta também em Vila do Carmo (Distrito de Cametá). Trata-se de ação que oportuniza condições para que filhos e filhas de trabalhadores e trabalhadoras estejam numa Universidade Pública, Gratuita e com Qualidade Social.

Nesse mesmo período (2013-2020), 4.312 jovens e adultos concluíram seus cursos, formando-se, por meio dessa Universidade, tanto na sede do Campus Universitário do Tocantins/Cametá como em seus Polos Universitários de Mocajuba, Baião, Oeiras do Pará e Limoeiro do Ajuru, assim como nas turmas flexibilizadas em Bagre, Abaetetuba, Tomé-Açu, Tucuruí e Vila do Carmo (Em Cametá).


Fonte: CIAC/UFPA-Março/2021

Atualmente (2020), o Campus Universitário do Tocantins/Cametá possui 2.846 discentes ativos, muito contribuindo para isso a política de fortalecimento dos Polos Universitários de Mocajuba, Oeiras do Pará, Limoeiro do Ajuru e Baião. Trata-se de uma ação que favorece um processo de territorialização do ensino superior, a partir dos modos de produzir a vida de homens e mulheres da Amazônia Paraense, no contexto do Baixo Tocantins, em oposição a formas de centralização do ensino superior.

O Baixo Tocantins, segundo Castro e Rodrigues¹ (2020, p. 262), “[...] é uma das regiões de colonização mais antigas do estado do Pará, Amazônia, sendo constituído por sete municípios – Abaetetuba, Igarapé Miri, Limoeiro do Ajuru, Cametá, Mocajuba, Baião e Oeiras do Pará. E é nessa região que se encontra o Campus Universitário do Tocantins, sediado no município de Cametá, com os Polos Universitários de Mocajuba, Baião, Oeiras do Pará e Limoeiro do Ajuru, atuando também com turmas em Igarapé-Miri. O município de Abaetetuba sedia outra Unidade Regional da UFPA.

Considerando apenas seis municípios, temos uma população estimada em 340.617 habitantes (Cametá: 137.890; Baião: 47.446; Mocajuba: 31.136; Igarapé-Miri: 62.698; Oeiras do Pará: 32.512; Limoeiro do Ajuru: 28.935) (IBGE, 2019), vivendo em territórios de ilhas, vilas, setor de estradas, cidades, comunidades ribeirinhas, quilombolas, povos do campo, das águas e das florestas, com a vida permeada pela agricultura familiar, pelo extrativismo e pela pesca, bem como pelo mercado informal.

E todo esse processo de interiorização da Universidade Federal do Pará começou na década de oitenta do século XX, ampliando-se essa interiorização, a partir de 2006, para além da sede do Campus Universitário do Tocantins/Cametá, com intensificação a partir de 2013.

Texto: Coordenação do Campus Universitário do Tocantins/Cametá – UFPA.

¹CASTRO, Osvaldo Luís Martins de; RODRIGUES, Doriedson do Socorro. Tecnologias de produção da vida em imagens: saberes do trabalho da pesca em comunidades ribeirinhas. In: Revista Trabalho Necessário. V.18, nº 37, set - dez (2020). ISSN: 1808 - 799 X.

registrado em:
Fim do conteúdo da página